quarta-feira, 4 de março de 2015

Da Passagem Da Sede

aos avôs,


As videiras superam-nos em longevidade, enrolam-nos os sonhos,
Espremem-nos o suor, extraem de nós toda a violência adiada,
Coram-nos pelos invernos fora e sobrepuseram a sede à fome maior,
Alguns muros caíram, as cerejeiras cansaram-se e foram engolidas pelo monte
E pelo fascínio dos pastores pela Lua vermelha e o Sol cinzento de Agosto,
Na base das garrafas verdes cria-se depósito com o que sobrou  das memórias,
A história não reza, há missas para isso e as videiras ignoram isto tudo,
Esperam que alguém lhes areje os alvéolos duros carregados de xisto,
A terra que irá cobrir todos os esforços e sacrifícios, até a infância
Deve ter ficado debaixo de uma videira, à sombra, a comer um cacho
De uvas americanas, rodeada de vespas e escorpiões, com medo da noite
E das latas que batem ao vento para espantar os javalis, as videiras
Continuam a estrangular com a sua inocência vegetal os herdeiros
Do mosto da última vindima, espera-se que o vinagre não chegue
Antes de Setembro, entretanto, vai-se acordando, verde,
Todos os dias, até sermos uma vez mais, superados pelas videiras.

Turku

04.03.2015


João Bosco da Silva