quarta-feira, 20 de abril de 2016

Sobre Poesia

Mais uma folha
que cai – mal
começou a Primavera.

Comecei a escrever poesia quando me apercebi que vinha uma avalanche
De nada contra mim, quando cai sobre nós algo assim, não há nada a fazer,
Ou há a poesia, escrever poesia é tentar engolir a água toda do mar
Quando se leva com a maior onda do mundo nos olhos,
Um poema é uma necrologia, de um momento, de um beijo, de um amigo,
São as palavras escritas nas lápides do cemitério interminável que somos,
Sem vida não existiria poesia, sem mortalidade também não,
Não acredito que os deuses tenham escrito um verso sequer,
Para mim a poesia é muito mais que uma desculpa para ir
Ter com uns quantos poetas e ser visto, geralmente acontece quando
Já quase nem eu me vejo a mim próprio no quarto vazio,
É mais que vento no ego de um nome qualquer que tenta, tenta,
É mais que uma justificação às pestanas queimadas em nome das palavras
Ou dos caralhos engolidos em nome do nome,
Para mim a poesia é a única forma de estar vivo realmente,
De manter vivos em quem está vivo os que perderam todas as palavras,
É o meu martelo possível contra a invencibilidade da morte.

20.04.2016

Turku


João Bosco da Silva
Adeus Amigo

ao senhor Tomé,

Que posso eu fazer agora que o teu corpo já arrefece da partida,
Os teus olhos tratavam a morte por tu, sei que não te assustou quando chegou,
Desculpa a minha memória, tentarei guardar todas as histórias que me contaste
Da guerra, sei que muito de ti ficou por lá, ao lado dos teus amigos caídos,
Finalmente a paz absoluta, já não tens que ter medo das emboscadas,
Já não tens que caminhar descalço pelas ruas geadas, com os pés pequeninos,
Já não tens que te lembrar da fome e da miséria daqueles tempos de ditadura
Na região esquecida do império por que lutaste, agora são os meus miolos que ardem
Com a pólvora de uma granada, o hálito sabe-me a enxofre, metal,
E deito-me na cama armadilhada, nem quero saber, bebemos mais uma das verdes,
Que sempre tinhas em casa porque pensavas que eu gostava mais delas,
E as francesas, nunca se esquecerão do teu sorriso malandro, tu da minha idade,
Dizias e eu já com 30 anos, fazias-me sentir um garoto sempre, fazias-me sentir
Que ainda havia tempo, que ainda estava a tempo, e com a tua tosse por perto
Não me lembro de haver sequer um segundo em que me sentisse triste,
Não sei como pode falhar o coração a quem o coração nunca falhou,
E agora, que posso eu fazer a não ser encontrar-te em cada pedaço de madeira,
Em cada cigarro que fume e que se lixe, vamos todos, em cada copo de vinho
Para empurrar o presunto, que tu preferias grosso, em cada rapariga nova
Quando o meu cabelo for todo branco, e eu da tua idade a tornar os outros jovens
Mais uns anos, eu da tua idade, eu da tua idade, agora serás sempre da tua idade,
E não te preocupes, levar-te-ei comigo enquanto cá andar, meu velho amigo.

Palavras . . . queria era beber um copo de vinho contigo, só mais um.

20.04.2016

Turku


João Bosco da Silva