quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

E Agora?

Hunter S. Thompson, save us!

E agora que vamos fazer do mundo enquanto os tolos enfurecidos
Se matam por ideias carunchosas de glória e além não há merda nenhuma,
Agora que os reis nos cospem nos olhos mentiras que temos que abocanhar
Como cães que julgam que somos e digerir aquele veneno como
Se fosse para o nosso bem, enquanto eles dos altos castelos se riem
De que a sua merda humana nos faça medo e lhe tenhamos respeito,
Que vamos fazer agora que o passado impossível parece chegar como
Uma avalanche óbvia e inelutável, porque alguém deixou a porta aberta
Pois o inverno já tinha sido há muito tempo e os lobos entraram
Fecharam as portas, ergueram muros e sentaram-se a roer-nos
Os ossos e o futuro à lareira apagada, e agora, agora que o não chegam a tanto
Chegou, agora que o não vai lá foi e já passou até dos limites
Da imaginação dos livros distópicos que comemos na adolescência
A uma distância segura da loucura que germinava, fermentava,
Em silêncio debaixo dos nossos colchões de barriguinha cheia,
E agora, se tivermos que fazer a barba por medo, andar de cruz na lapela,
Ou de cruz escondida por medo, agora que anoitece e ninguém parece
Querer acreditar que se precisam acender os olhos e ver, ver de verdade,
Contra toda a areia que nos atiram nos olhos como quem nos quer
Semear vazios na cabeça, é que agora já é tarde, agora já passou da hora, agora.

26.01.2017

Turku


João Bosco da Silva

Sem comentários:

Enviar um comentário