quinta-feira, 1 de junho de 2017

Um Poema

Não tenta guardar qualquer momento, o poema, é como um olhar no espelho,
Cada verso é escrito com a areia que os dedos deixaram escapar,
Um poema bom é uma derrota bem conseguida, uma borboleta espetada num alfinete,
Nunca se captará o voo do tempo, só na ponta dos dedos se sente o que agora
Duro, para baixo, para baixo a tomar forma de uns seios, a passagem nuns lábios
Que nem os olhos um sorriso uma vez mais, é tão inútil, ressuscitar o que os mortos
Nos deixaram entre um esquecimento e outro e com isto acendem-se madrugadas,
Sacodem-se garrafas vazias numa vida que se extingue e só se dá pela ausência,
Os olhos deixam de ver quem nos aquece, procuram na distância míope
A ilusão que possa salvar a condenação certa, o poema mal toca na perdição,
Mal se acende e é todo falhas nos olhos dos especialistas de relâmpagos,
Demasiado barulho esta humidade reprimida e a terra continua a cobrir
Os olhos que nos mereciam, sempre os que se fecham a certeza de serem merecedores,
Um poema que tenha a pretensão de salvar o mundo é um poema inócuo,
Só aquele que cospe nos olhos da cegueira e mostra a luz demolidora do tempo
Justifica o mau uso da ponta dos dedos, o cansaço dos olhos na luz fraca,
A má-língua sem se importar com as más-línguas dos deuses que engordam ossos para a morte.

Turku

02-06-2017


João Bosco da Silva

Sem comentários:

Enviar um comentário