domingo, 28 de agosto de 2016

Não Me Cruzei Contigo Em Shibuya

Não me cruzei contigo em Shibuya, apesar do que dizem das probabilidades,
Nem em nenhuma garrafa que espremi até ao verde do vidro vazio,
No Porto encontrei apenas a tua sombra nos bares em que entramos
E nos que hoje, podíamos entrar não fosse a morte ou isto que é
Parecido mas não mata, separa apenas, para sempre, até à verdadeira,
Nunca teremos Paris, nem sequer o aeroporto de Lisboa,
Eu tenho apenas aquela tarde no salão de chá onde me pareceu ver-me
Finalmente nas tuas pupilas, onde anos mais tarde, na mesma rua
Poetas gritariam a vontade que eu tinha de ti, mas não, nem isso,
Nem me lembro do que bebi, enquanto te engolia toda na certeza
De sempre a última vez e nunca mais, andamos a cruzar continentes
Para isto, enquanto hoje se iluminam águas furtadas no Porto
Longe dos nossos sonhos já apagados pelos anos e a submissão à vida.

29.08.2016

Turku


João Bosco da Silva

Sem comentários:

Enviar um comentário