domingo, 13 de março de 2016

Dissecação Dos Ecos

Em cada nova boca encontrava um eco cada vez mais diluído
Da verdade que foram os teus lábios de sonho
E vinha-me com a certeza e a vontade do vazio
E sentia que me engoliam sem qualquer magia,
Como se fosse um reflexo esculpido pelo hábito
Da obrigação, os batons rodeavam-me, anónimos e diversos,
Contudo sinceros no toque e com um brilho parecido ao desejo
No olhar, mas um desejo que se pede, mais do que rói por dentro
E no fim cede-se a um convite para tomar chá, já que o vinho
Perdeu o sabor, a vodka se enjoou há anos numa ilha
Que acabou por se tornar no modelo do purgatório
E não é sede, não há sede, só uma solidão que apaga
Aos poucos com os ecos diluídos que se encontram nas bocas
Que te sucederam, todos aqueles verões de saliva
E uma ordem de marfim forçado, cada vez mais pálidos perante
O esquecimento.

Turku

14.03.2016


João Bosco da Silva


Scavenger


Que fazer quando já não sobrou nada para cuspir
E se espera pela Primavera como pela próxima vida
Num beco sem saída entre muitos anos e outros tantos
Arrependimentos, cada verso é apenas um pedaço de saudade
Em segunda ou terceira mão, gasto e esquecido do cheiro original
Daquelas primeiras noites de Primavera, mais vale atirar
O desejo como uma toalha já seca do esforço vazio por sonhos
Com o mesmo recheio, se não se tiver pena, podem rasgar-se
As saudades até ao osso só para sentir brevemente o aroma
Das camélias no olival vizinho, e lá vai aquele cheiro
Ser encaixado entre três versos, como se fosse possível guardar
Nas palavras o que as papilas nos pedem, desconhecedoras
Da mortalidade de todos os momentos e sempre tão certas
De que o que nos revelam é o verdadeiro sentido da vida.


Turku


14.03.2016



João Bosco da Silva