quarta-feira, 11 de maio de 2016

Anoitecer De Madrugada

Não posso ir agora, assim, já, ainda é cedo para me continuares
A contar histórias da guerra e do caralho, ainda acho que tenho
Uma carta ou duas, mesmo que pareça que já está tudo queimado,
A cama parece-me a coisa mais apetitosa do dia, daí gostar tanto
Do café das quatro da tarde na varanda enquanto o resto do mundo
Regressa já cansado da vida, dos cornos, dos trocos para o papel higiénico,
Eu ao menos, apesar do cu limpo no esquecimento, sei que salvei alguém
Para mais uns dias neste aquário de piranhas com milhões de peixinhos dourados
Para serem comidos pela fome das barrigas maiores, mas caralho,
Eu não posso ir assim, já, nem o raio de um bastardo se anunciou,
Tantos bancos de trás de tanta boleia, e nem um bastardo,
Vomitei tantas vezes na fome de cadelas, ninguém terá engolido
A minha vontade, terá sido tudo mentira, vou cortar no quê agora,
Até me apetece um ponto de interrogação num palheiro
No dia da festa de uma aldeia em Agosto, não posso ir assim agora,
Mas já amanhece e eu pouco mais tenho a dizer a não ser palavras
De revolta que só o poeta da capital vê, mal sabe ele o que é a vida
Seja onde for além da capital de um império fossilizado.

12.05.2016

Turku


João Bosco da Silva
Para Os Vossos Filhos Bastardos

Arranco os óculos antes da madrugada, fica tudo como está,
Sinto a chuva de Tóquio a tocar na pele da minha infância
E eu nunca usei chapéu amarelo nem fui levado de carrinho
Para a escola, levei na bentas, sangrei dos joelhos, rasgaram-me
As calças favoritas em segunda mão, tive medo de morrer
Afogado em merda numa fossa, não fosse uma velhota
Debaixo do que hoje me parece uma oliveira e tinha engolido
A merda do medo todo e nem um verso hoje, longo ou o que seja,
Hoje os filhos desses merdas têm o mesmo medo,
Eu não, eu nem me perdi em Tóquio, apesar de me ter perdido
Em muitas madrugadas, loiras, ruivas, da cor da madrugada,
Nem óculos tinha na altura, era por ser de longe,
Sempre fui de longe, por isso agora aqui e tão em casa,
Agora és o glaciar onde mijei na Noruega, o teu amigo é só
A carcaça morta de uma zebra numa tarde aborrecida na savana queniana,
Eu o garoto a quem custou demasiado caro um sorriso,
Desejei-vos a morte tantas vezes, e que triste que o maus durmam bem,
E no fim nem o comboio do destino poupa a vingança dos pobres,
Só espero um dia que os vossos filhos bastardos tenham que estudar
As merdas que escrevo por causa daquelas calças rotas naquele
Dia de chuva depois da escola na segunda classe.

12.05.2016

Turku


João Bosco da Silva